Menu

Multimídia

Vídeos

Programação aula a aula

Outros vídeos
O 7º encontro do curso Educação Relacional surpreende todos os alunos. É uma das poucas aulas que não pode ser reposta, por essa razão, sempre dou um jeito (combinando com a turma) para assegurar que todos possam participar no seu próprio grupo. É que essa aula exige que as pessoas se conheçam. Deixo claro desde o contrato pré curso que esse trabalho é um CURSO, não um grupo de terapia ainda que tenha efeito terapêutico, portanto ninguém tem que falar nada que seja pessoal; no entanto, a essa altura, é natural as pessoas já se sentirem mais á vontade e podem se mostrar um pouco mais da sua humanidade. Essa aula é sobre a forma como as pessoas lidam com afeto. Algumas pessoas são muito afetuosas, mas não se expressam, outras são excessivamente doces e, dependendo do outro da relação, isso pode gerar conflitos, outas vezes, a pessoa é considerada fria, insensível... enfim, após essa aula algumas questões ficam melhor entendidas pelos alunos. Nessa aula também falamos mais uma vez sobre a importância de dar limite e como fazê-lo e continuar se sentindo ok. Enfim, vamos um pouco mais fundo a cada encontro. Para mim, o curso vai esquentando a partir desse encontro!! Os alunos acham que ele já começa quente desde o primeiro encontro! Rs
É importante lembrar que o curso Educação Relacional é para consumo próprio, ou seja, não é uma formação. Digo isso especialmente por conta dos encontros 9 e 10 que são sobre abordagens que promovem o autoconhecimento através da leitura corporal. Tal conhecimento é utilizado por terapeutas da linha, com o intuito de melhor entender seus clientes. Quem melhor interessado em ter tais informações se não a própria pessoa? Na abertura do encontro 9, os alunos começam compreendendo a diferença entre expressões faciais cristalizadas x microexpressões. Depois aprendem sobre as duas primeiras fases do desenvolvimento e quais marcas elas deixam no corpo e no comportamento adulto da pessoa. Tudo isso proporciona aos alunos muito mais autoconhecimento, além de abrir um portal para que sintam compaixão pelas pessoas que amam em relação a atitudes que antes era incompreensíveis para eles. Essa nova perspectiva que passam a ter do outro contribui para eliminar vários jogos e possibilitar mais proximidade.
Não é assim com todas as pessoas e quando acontece não é em todas as áreas. Às vezes em uma ou duas áreas da vida, as coisas dão uma reviravolta e pioram ou param de fluir, enquanto que nas outras estão okay. Que áreas são essas? São as áreas: casal, família, profissional e social. Gosto de ficar atenta também ao que acontece ao corpo (alimentação, exercício físico e saúde) e ao Self (autoestima e autoconfiança principalmente) nessa época. Quando as questões nessa fase não são resolvidas a medida que acontecem é natural que fique mais difícil resolvê-las adiante. Tenho tido cada vez mais alunos que se antecipam a essa faixa etária e buscam ajuda cedo, ainda jovens. E isso é maravilhoso. Quem busca ajuda depois dessa época, já chega machucado. No 14° encontro do curso Educação Relacional, os alunos entendem o que faz coisas assim acontecerem e como podem interferir nisso. Aqueles que têm filhos pequenos, aprendem como agir para evitar ou amenizar isso na vida deles. É que, por mais estranho que possa parecer para o leigo, é na infância que o ser humano decide como vai viver a vida adulta.
O encontro 15 do curso Educação Relacional é muito especial, pois é quando os alunos constatam a mudança na sua forma de falar. Após participarem da dinâmica em que fazem o papel daquele pessoa que quer ajudar um(a) amigo(o) que pede ajuda e conseguem alcançar o objetivo, em vez de dizer o que acham que ele(a) deveria fazer. Nesse momento eles percebem que quanto a forma de se comunicarem se tornou de fato eficaz. Nesse encontro também eles aprendem sobre S.E. - Experiência Somática. Faço 1 ou 2 demonstrações de 10 ou 15 minutos com dois voluntários que tenham alguma situação traumática que os faz sofrer cada vez que lembra. As demonstrações são na verdade intervenções que minimizam ou eliminam o poder da memória traumática de modo rápido e eficaz. Você pode ler mais sobre S.E. em http://www.sonianemi.com/home/abordag...